Arquivo da tag: Zamar

Marcos Almeida me fazendo polemizar neste blog (ou: Palavras hebraicas para a adoração e louvor)

Este texto não faz parte dos posts temáticos do mês, para lê-los clique aquiaqui e aqui.


{Para ouvir enquanto lê}

Eu me lembro da primeira vez que o meu avó materno – a pessoa mais lindamente do contra (beijo, vô, daqui um dia estou chegando no seu Araguaia) – me perguntou o que eu fazia fora da igreja e porque eu não lia essa bendita Bíblia SÓ na igreja. A resposta pulou de mim sem nenhum empecilho, como se ele tivesse perguntado meu nome:

– Porque o evangelho faz parte de todos os pedaços da minha vida, não tem fora da igreja.

Ele balançou a cabeça e me implicou mais um pouco, mandando eu parar de filosofar sobre Deus e ir para piscina.

E aí eu fiz 15, 16 e pulei para os vinte anos, cada vez mais atraída por esse pensamento. Todo dia menos preocupada em parecer gospel, mas totalmente comprometida com o evangelho. (E veja bem, isso não é um desrespeito ao mandamento de evitarmos a aparência do mal).

Se você me lê já sabe que eu acho que a minha fé não está no meu vocabulário crente, minha fé está em absolutamente tudo mais: na forma como eu acordo, como eu reclamo, como eu amo o outro – em todos os amores possíveis – como eu trabalho, como eu planejo o meu dia…

Sendo assim, dividir a vida em música “de Deus” e música em que Deus está presente, não faz sentido para mim… É claro que precisamos ter canções que nos impulsionem diretamente na igreja, que nos ajudem a gerar fé, que facilitem o contato com Deus (eu sou team espontâneo da Bethel, amigos, basta ver a quantidade de vezes que falo sobre canções que falam explicitamente sobre e com o lindjo Espírito Santo), mas eu realmente acredito que Deus está em uma música que você compôs sobre… bem, sobre um passarinho. Ela não precisa ter aquele selão “música de crente”, ela precisa ser feita por você, que entende que sua vida cristã, na verdade, são todas as áreas da sua vida. Você pode falar sobre alguma parte besta do nosso cotidiano ou sobre quem você ama e ainda sim demonstrar que o seu coração se derrete pelo Altíssimo.

E estou falando isso por que, minha gente? Porque Marcos Almeida lançou uma música nova sobre o Natal e me fez pensar sobre tudo isso de novo hahaha…  Se você não conhece o cara, mas conhece o trabalho do Palavrantiga, você conhece um pedacinho do cara. Agora, com novos projetos (acesse o Nossa Brasilidade), ele tem falado bastante sobre o evangeliquês e o que o Espírito pode fazer se nós falarmos português nas músicas.

marcos

“A gente recebe algumas críticas. A primeira vista parece alguma coisa muito “carnal” muito “pensado”, mas a gente vê que é um movimento que o Espírito Santo está fazendo no Brasil. Existem muitos grupos que vieram desse meio da cultura gospel que não estão mais relacionados ao movimento, como a Lorena Chaves, a Lilian Soares, o Bruno Branco, alguns músicos do Nordeste e também de Brasília que não usam esse vocabulário. Acredito que o gospel é mais uma forma de comunicação do que um estilo de música. O gospel tem o seu linguajar. O “Nossa Brasilidade” está tentando aproximar mais com o vocabulário de “rua”, mais com o “português” do que com o “evangeliquês”. Se fosse resumir, diria que o nosso projeto são artistas cristãos falando em português”, Marcos disse em uma entrevista para o site da Lagoinha.

Talvez você possa estar pensando que isso é uma maneira de se esconder, de não falar claramente a mensagem, mas sabe, eu não acredito nisso não. Eu creio num Deus poético e mais, em um Deus que nos dá liberdade para sermos poéticos. Vamos pensar em Davi, quer um homem que sabia mais sobre ser extremamente derretido e construtor de metáforas e, ao mesmo tempo, sabia quando ser guerreiro e observador das realidades espirituais? Ele não escondia o seu Senhor, ao contrário dos soldados do Rei, todos escondidos, com medo de Golias. “Então, quando você trabalha com a canção, fica escancarado sua confissão de fé. Quem conhece as nossas músicas sabe que não estamos tentando ser simpáticos com o mundo. Estamos provocando muitas coisas, mas com beleza, poesia e na língua corrente das ruas e não nos jargões evangélicos.”, Marcos afirma, ainda em entrevista para o site da Lagoinha.

Na parte hebraica da Bíblia, a palavra adoração, na verdade, são várias palavras. Então, por que não termos vários tipos de canções que nos levam a diferentes tipos de louvores? Não é mais do que natural? Eu tenho lido sobre isso há alguns meses (e escrito as sete palavras em cadernos e nos braços, não se assuste caso me encontre riscada hehehe) e descoberto que nós podemos exaltá-Lo de mais formas do que temos feitos.

Vou listar resumidamentíssíssimo  as palavras:

HALAL: falar bem do Eterno. Sabe quando a gente tá tão entusiasmado ou agradecido que precisa falar alto que Ele é bom?

YADAH: erguer as nossas mãos, em um local de dependência completa de Deus.

TOWDAH: levantar as mãos com ações de graças, não só por tudo o que já recebemos, mas pelo que iremos receber. Pode ser considerado um louvor gerador de fé, que nos livra de sermos amargos, de culparmos o outro, de não sermos gratos.

SHABACH: é a palavra para o júbilo, para quando gritamos e nos alegramos Naquele que venceu o mundo.

TEHILLAH: eu absolutamente amo os salmos que têm essa palavra! Porque eles falam de cantarmos uma canção nova – algo que você não tenha decorado. Ou seja: essa é a parte da adoração em que Deus tem liberdade de agir através de nós e aí nós colocamos em palavras nossa relação de amor com o Senhor (já tô suspirando aqui, e vocês?).

BARAK: adorarmos de joelhos, expressando verdadeiramente o que temos presenciado em Sua presença.

ZAMAR: louvar e adorar tocando algum instrumento, fazendo melodias.

instagram
Estudar as palavras hebraicas para o louvor e a adoração amolecem meu coração. Entender exatamente o que os salmos dizem é tão intenso que, de alguma forma, agita uma parte de mim que só quer gritar e cantar e me prostrar diante Dele. Quero enfrentar tudo em adoração, Deus, porque se eu puder te ouvir cantar, meu Rabbi, se eu tiver a certeza de que estou um dia a menos de ver suas bochechas musicais, tudo fica mais ‘engulivel’. Você é todo o som dos meus dias e eu quero aprender a te dizer isso de segunda a segunda, ate que não haja mais tempo para contar.

Eu já não sei se eu me fiz clara ou não adicionando essas sete palavras ao texto (hehehe), o que queria dizer é que o clipe novo do Marcos Almeida sobre nosso natal cheio de sol e Deus me fez sorrir e pensar em como Deus nos aprecia. Não só pelo que podemos fazer por sua obra, mas pelo que Ele colocou em nós: poesia.

Assista o vídeo responsável pelas 1182 palavras do post:


[Faltam 07 dias para o Natal]