Armadura (ou: Um texto sincerão)

{Para ouvir enquanto lê}

– Às vezes, eu tenho dificuldade de ser filha.  – Digo para Ele, assim que entro no meu quarto.

Largo o sapato entre o banheiro e minha estante, piso no chão – ele está congelaante – e sinto a cabeça rodar. Entre as coisas que eu preciso fazer. As coisas que eu gostaria de fazer. Coisas. Todo tipo de coisa.

O dia todo está estranho. Levantei ao contrário. Peguei o caminho errado de ontem para hoje. Qualquer dessas expressões que você preferir, por mim, está bem.

Eu abro a boca para falar com Ele, mas tudo sai esquisito.

– Às vezes, eu tenho dificuldade de te pedir as coisas. Porque eu estou tão acostumada a correr atrás delas. Tão acostumada com o peso dos meus braços e das minhas costas…

É só como a vida é, nada é fácil – minha cabeça já interrompe a minha oração.

Chris está cantando. Eu me sento no meio do quarto. Agarro uma blusa de frio e abraço minha bíblia.

Nós voltamos a ficar em silêncio.

Flock of birds
Hovering above
Just a flock of birds
That’s how you think of love

– Eu me pergunto, milhares de vezes, como é simplesmente não acordar exausta…

– Você ama a Amora? – Deus me pergunta e eu fico bem confusa.

– Deus, o que meu cachorro tem a ver com isso?

– Você ama a Amora?

– Com todo o meu coração.

– Ela sabe que você a ama?

– Não sei. – Sorrio tossindo, uma gripe que não me deixa.

– Você acha que ela tem dúvidas de que você vai dar comida para ela? Você acha que ela tem dúvidas de que quando você chegar vai deitar no chão enquanto ela corre para pular sobre você? Ela não se pergunta nenhuma dessas coisas. Porque ela sabe que você vai fazer todas essas coisas. Ela sabe que você

– a ama – completo a frase Dele.

– Você não me pede as coisas porque não sabe se eu vou te entregá-las.

Engoli em seco.

– Eu vou sempre deitar no chão quando você chegar em casa. Eu te amo.

Cubro meu rosto com a blusa de frio. E Ele me mostra uma armadura. A armadura que tenho imaginado a semana inteira, enquanto leio um livro de rainhas e sangue. E, de repente, eu estou sem ela. E me sinto tão vulnerável que tenho vontade de rir. É como fazer um exame com uma daquelas camisolas de hospital.

– Eu não sou como nenhum deles. Eu sou Javé, eu sou o seu Jah! Está tudo bem – sinto seus olhos chorarem, eles sempre choram quando eu me lembro da cena que me deu uma armadura para a vida – eu posso ser sua armadura.

E ele gruda em mim. E me vê por dentro. E não tem medo de quem eu sou.

– Filha?

– Hmm?

– Pega outra blusa, você está tossindo.

 

 

Ele te cobre com suas plumas, e debaixo de suas poderosas asas te refugias; sua fidelidade é escudo e armadura.

Salmos 91:4

Anúncios

2 comentários sobre “Armadura (ou: Um texto sincerão)

  1. Impossível não chorar ao ler o texto (enquanto ouço a música recomendada). Ao mesmo tempo, é impossível não sorrir e achar fofo ao final, quando Ele te diz para pegar o casaco extra… Cuidando de você nos mínimos detalhes porque você está tossindo.
    Eu te vejo como uma mulher muito, muito forte. Saber que voce também tem seus momentos de vulnerabilidade com o Pai me faz ter aquela sensação de “I’m not the only one”… bem como me faz pensar: “Hey girl, calm down, you are safe with Him”.
    Mais uma vez, seus textos me trazendo à memória o que me dá esperança. Thanks!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s