Os 5 últimos dias

{Para ouvir enquanto lê}

Na quinta, agarrei metade do meu cabelo, medi uns centímetros pra cá e outros pra lá e cortei. Balancei ele de um lado pro outro e deixei minha melhor tesoura, a vermelha, em cima da pia do banheiro.

Na sexta, acordei mais cedo que minha irmã e corri pela rua. Sozinha. No frio. Meus passos ressoavam até a esquina, meus fones vibravam nos ouvidos. Tuc. Tuc. Tuc. Uma. Duas. Sete esquinas de uma vez. Parei. Respirei e voltei andando pelo bairro que começava a se agitar.

No sábado, eu abri a janela do uber, o vento batia contra mim.

– Moça, você quer ouvir alguma coisa?

David Dunn saia do autofalante do carro que cheirava a sauna. Obrigado, universo, pelo bluetooth.

E nós cruzamos a cidade com a mesma música se repetindo e minha mão para fora do uber, controlando o vento da cidade.

– Você tá tão feliz, moça, aconteceu alguma coisa?

– Não. – Sorri.

No domingo, eu sentei com as crianças do ministério infantil e elas me perguntaram se Deus ainda multiplica peixes nas redes. Sorri de novo. Nós somos os peixes e as redes. Nós somos as mãos dos discípulos. Nós somos Cristos em formação.

– Você não faz ideia de como ele multiplica, Mateus… – Ele correu satisfeito com a resposta.

Na segunda, fiquei observando meu avô ler o jornal e minha avó ligar para ver se alguém estava melhor de saúde, enquanto eu fazia almoço para os dois. Mexendo o feijão e olhando os meus velhinhos, existindo há anos no espaço um do outro.

– Você não vai acreditar em quem foi preso! – Ele balançou o jornal, minha avó tentava desligar o celular e eu experimentava o feijão, que estava sem sal. – A irmã tá melhor, Ivone?

Nada mudou por fora. Tudo ainda está igual. A vida ainda está cheia de incertezas e problemas. A alegria que me alimenta é estranha e me chama para uma nova fase Nele. Eu nutro a esperança de comer de algo alegre e fresco. Não porque sou otimista com o futuro das coisas e deste mundo, que se mantém unido pelo ódio, mas espero porque Gálatas diz que se não nos cansarmos de fazer o bem, um dia colheremos todo ele. Essa semana foi como uma lembrança que veio sem avisar de que a esperança do bem está chegando. Eu e minha nuca quase de fora continuaremos a semear.

 “E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido”

Gálatas 6:9



Esquema de sempre: você pode me encontrar através do meu email (nataniacarvalho@gmail.com), da página do blog no Facebook, ou do meu Instagram =D

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s