Arquivo mensal: agosto 2015

(Fazendo a miga das frases, miMMdeixem)

Screenshot_2014-11-18-10-39-00-1

E não é que é?

Anúncios

Das Colisões Automobilísticas (ou: Meu testemunho)

Bem, eu não poderia dar sequência ao post de dois anos do blog (<3) senão falando um tiquinho do meu testemunho, principal motivo pelo qual eu escrevo e sou grata. E eu vou apelidá-lo, gentilmente, de Das Colisões Automobilísticas. Quero comemorar com vocês os dois anos contando algo que, há algum tempo, seria muito difícil, mas hoje significa misericórdia e liberdade que vem do Eterno.

{Para ouvir enquanto lê}

Mas vou começar do começo

Sempre estive dentro da igreja, não apenas no prédio físico, mas consciente de que Deus era alguém que falava, que ouvia, que amava. Nosso relacionamento começou aos meus quatro anos e cresceu com o tempo, contudo por volta dos nove anos de idade um evento traumático mudou a dinâmica da minha vida espiritual, algo que a gente olha com a a cara que faz para uma batida na rua: será que alguém vai sobreviver?

Daquela situação, uma imensa brecha para pecados e inseguranças foi aberta. E a culpa pelo vício de me lembrar do início de tudo machucava meus ossos. Há um tempo, Deus me mostrou que o primeiro contato com aquilo que futuramente iria me arrastar não é, era ou será minha culpa. Também há um tempo, escrevi um rascunho deste texto que posto hoje e mostrei para os meus pais, exultante, porque era a primeira vez que eu me sentia verdadeiramente livre. Eles não ficaram felizes, levaram um susto, foram expostos a uma realidade que não conheciam e que havia acontecido láa atrás. Mas saber que eu podia contar que Deus pode verdadeiramente livrar alguém dos seus traumas esquisitos – baseados em minha própria experiência e não na de outra pessoa – me fez bem.

Esse foi o início da libertação definitiva de Deus. Finalmente eu comecei a entender porque doía tanto. Finalmente eu comecei a entender que não doía mais.

A batida de carro

Anos depois, eu consigo ver que não há como culpar quem liderou o acontecido. Isso, porque éramos da mesma idade. Tudo o aconteceu exatamente como quando você fecha os olhos antes de se chocar contra um carro que freou subitamente, bem na sua frente.

Sequer dá para expressar uma reação, as coisas só aconteceram.

Como não se recuperar de um acidente

Todo trauma abre portas para diversas atitudes malignas, e acredite eu tentei me recuperar delas de todas as formas imagináveis. Eu vou listar as minhas portas-buracos-negros para você entender como não tentar fechá-las:

1 – Culpa

2 – Pecados relacionados a área atingida

3 – Dificuldades de se relacionar de forma saudável com seres humanos e, às vezes, com Ets

4 – Um buraco no meio do coração que parece doer fisicamente

5 – Desesperança no projeto de Deus e, às vezes, na boa vontade Dele

Eu me culpei por anos. E sim, quando você atrai pecado para um ciclo já completamente bagunçado  você é culpado por isso, mas o que eu não entendia é que de maneira nenhuma o fato que começou toda a bagunça descrita podia ser colocado na minha conta e que o mar do esquecimento não é uma metáfora, mas algo para ser usado.

A culpa é uma ponte muito firme para as brechas que o inimigo encontra em nossos corações e caráter, ela torna tudo muito fácil para satanás. Eu facilitei mesmo para ele, construí uma daquelas pontes de concreto e quebra-la, juntamente com meus comportamentos viciosos e meus pensamentos, não parecia nada fácil. Mas eu tentei, amigos. Para mim tudo se resumia a conseguir arrumar o número 2 e 3 da minha lista. Se aquilo estivesse bom, eu também estaria.

Mas se existe uma lista de desgraças na sua vida, me diz porque você escolhe jogar duas coisas foras e manter as outras meodeosdocéu?! Eu tentava me esforçar o máximo, porque afinal, o reino de Deus é tomado pelo esforço (moldando os versículos de acordo com sua vontade, quem nunca?).

– Deus, eu vou ser tão melhor em me relacionar com as pessoas, o Senhor vai ver e… – Daí para frente eu já tinha traçado um plano gigante sobre como EU iria ser melhor e EU conseguiria arrumar o tom das minhas conversas.

Eu tentava até ficar cansada, no menor descuido lá estava eu mandando as pessoas pra lá de novo. Porque? Porque eu não achava que elas eram obrigadas a lidarem com a minha bagunça. “Meus amigos não são obrigados, meus líderes não são obrigados, meus pais menos ainda”.

Quando o problema número 1 da lista cresce [CULPA], ele te transforma em alguém que precisa ser perfeito, porque se você for muito bom em algo ninguém vai realmente saber que você é uma bagunça. Não que a gente pense isso na hora, mas por favor: porque estudar 19 horas no dia para saber de uma coisa que nem te interessa direito? Se tornar perfeito foi também uma solução para tentar fechar as brechas gigantes que o pecado abriu. Se você estiver fazendo muita coisa, a probabilidade de fazer  bagunça diminui.

Resumindo: eu resolvia quase tudo me mantendo ocupada e sendo alguém “relacionável”.

A vida acontece e, às vezes, a gente parece estar bem de verdade. Quero que você entenda que eu não passei toda a minha vida pensando nisso,  Deus me deu presentes incríveis, eu conheci muita gente legal, me mudei de cidade, trabalhei na casa de Deus e me senti realmente bem. Mas o que eu quero dizer aqui é que o passado rondava sempre perto, esperando um momento de tristeza ou de muita felicidade para lembrar: você não pode tanto assim, seu passado não é brilhante.

Eu passei alguns anos totalmente indiferente a toda essa situação, até que sem mais nem menos, eu estava ali, chorando, e dizendo para mim mesmo uma frase absurda:

– Tudo que eu queria na vida era ser realmente alguém capaz de transmitir a sua presença, Deus, mas se não vai dar, eu posso fazer outra coisa, o que o Senhor quer?

EU ESTAVA ORANDO, OUVINDO A DEUS, MAS NÃO ACREDITAVA QUE PODIA SER UM MEIO DE TRANSMITIR TUDO ISSO?!

Nesse dia eu chorei tanto, que parecia adolescente enchendo quatro copos do refil do Burguer King com água salgada. Porque eu sempre desejei ser como meus pais. Eu me lembrava de uma foto dos dois – com ombreiras e cabelões -, de pé, sendo ungidos a evangelistas (o que é tipo um pastor na Igreja de Cristo) junto com dezenas de outros casais, e aí eu chorava um pouco mais, porque aquilo era tão lindo, era como ver o início de suas carreiras cristãs. Eu acreditava fielmente que eu nunca poderia viver essa experiência em toda sua completude, porque eu já tinha estragado meu início. E era horrível.

Resumindo 2: Eu não fazia ideia de como resolver o número 4 e 5.

Resumindo 3: Eu não sabia o que fazer com qualquer um dos números da lista acima, porque meus machucados da velha batida de carro vez ou outra pareciam sempre recém-abertos.

Eu tinha dois cintos de segurança que diminuíram os danos

Eu sei com toda a clareza do meu coração que duas coisas foram absolutamente essenciais no processo da libertação da minha alma: o Senhor e meus pais.

Deus não tirou os olhos de mim por um segundo. Sua presença era minha melhor amiga e Ele era o único que realmente me conhecia. Ele nunca regrou sua graça de me alcançar. O Espírito me encheu de sonhos e de musiquetas para cantar para Ele e para mim mesmo. Ele não me deixou, mas me acompanhou através de um processo de libertação, mesmo quando eu não sentia que estava me tornando o que Ele planejou.

Meus pais também merecem todo o agradecimento que meu coração for capaz de produzir. Quando Deus começou a me mostrar que aquilo não me pertencia mais, há sete anos atrás, eu fiz uma escolha: continuar todo aquele processo sozinha. Eu estava na cama, tinha acabado de ler A Divina Revelação do Inferno (meu timing é ô: uma porcaria hahaha) e falei para Deus que queria sair dessa sozinha, eu e Ele. Hoje não sei se faria a mesma coisa (não faria, NÃO FARIA), mas Deus deve ter suspirado e soltado: long way it is. Contudo, mesmo “sozinha”, todo o alimento que meus pais me deram se transformou em um enorme cinto de segurança.

Meu pai foi meu professor do Instituto de Vencedores, quando eu tinha 8 anos, então, tudo o que eu ouvi dele me fez mais segura no que o Senhor era capaz de fazer por nós (além de me ensinar o que era sepulcro caiado, o que eu absolutamente AMEI, porque eu não entendia aquele versículo). Minha mãe sempre lia histórias da nossa Bíblia ilustrada antes que a gente dormisse e escrevia “já lido” na página acima, para termos certeza de que havíamos terminado. Mas isso são exemplos simbólicos, o que os meus pais mais me ensinaram não pode ser resumido a um evento específico, mas a convivência diária com eles, transmitindo um evangelho capaz de curar, prover, transformar e nos fazer sempre acreditar que Deus pode mudar nossa história.

Mesmo com a segurança dos cintos, vez ou outra a gente acha que não vai sair do carro nunca mais

Sim. Algumas vezes bate o desespero e não dá para acreditar que tudo vai ficar melhor. E foi nesse momento de absoluto terror, de “eu nunca vou me livrar disso”, que fiz uma tentativa de fazer minha vida parar de doer  com um queimadinho perto do pulso esquerdo.

De novo e de novo e de novo…

Deus foi paciente, mas foi enfático: um pedaço de carne queimada não é nada perto do sacrifício perfeito da cruz.

Se eu não parasse de tentar me salvar e me punir, eu nunca seria liberta.

Quando o socorro começou a chegar

Deus começou a me curar me dando relacionamentos que me fizeram entender a sua natureza.  Quando você conhece alguém  que se parece com Deus, é muito fácil ver que é assim que você quer ser todos os dias.

E então Jesus me mostrou que não há culpa no trauma inicial provocado por outra pessoa e que há perdão, mais conhecido por mim como argamassa do céu, capaz de fechar brechas abertas por mim. Ele começou a me dar uma missão. E no meio de tudo isso, Ele me mostrou que eu não seria a menina chata cheia de problemas por expressar tudo o que acontecera de forma audível, então, nos últimos anos, eu contei meu testemunho todo para mim mesma em frente ao espelho. No final, eu estava bem!

E foi aí que eu entendi que se eu sou liberta, é bom gritar isso. Não só porque é maravilhoso, mas porque faz tudo ainda mais real.

No Reino, os machucados passam a não existir por causa do amor

Só houve uma única coisa realmente capaz de me curar de tudo: amor. Talvez você leia o blog e não entenda porque eu falo (e tenho falado muito mesmo!) sobre o amor de Deus… Bem, porque ele é a resposta para os  cinco itens da minha lista acima. Parece vago, então vou explicar: eu aprendi a receber o amor de Deus. Eu entendi que Ele me ama da mesma forma quando eu estou no meu melhor momento e quando eu estava no meu pior momento. Não tem nada que eu faça que irá fazer com que ele me ame um centímetro a mais ou a menos.

Então, quando eu estava me sentindo horrível, eu apenas abria os braços e pedia:

– Me mostre o seu amor, Deus.

E ele começava a falar: você é exatamente o que eu te criei para ser; eu te amo; eu fico te esperando quando você demora para falar comigo; às vezes, eu até gosto das suas piadinhas, menina…

E ouvindo isso, o poder do passado perdeu as forças. Não há como eu me sentir como anos atrás, porque eu sei que eu sou extremamente amada. Porque eu iria querer me sentir diferente? Eu entendi de fato o que significa que Ele nos amou primeiro, por isso nós somos capazes de ama-Lo.

Porque Ele me ama, as brechas não existem e eu não sinto vontade de sair de sua presença. Porque Ele me ama, não há culpa. Porque Ele me ama, não há espaço vazio. Porque Ele me ama, há esperança e desejo constante de servir e pregar sua palavra. Porque Ele me ama, eu posso ser saudável nos meus relacionamentos e pedir que o Espírito me ajude a reconstruir pontes quebradas por desequilíbrio emocional.

Passou? Então passou, não queira contar os cacos de vidro do parabrisa

Deus me disse, através da Christa Black, que eu não deveria ousar tocar no que é dele. Ele colocou na cruz e levou. E eu não vou mexer no que o Senhor já venceu.

[A Christa (íntima) me inspira todos os dias, por favor acesse seu blog e seja abençoado!]

 Você não é aquela pessoa vitimizada que sofreu um acidente, entenda a sua identidade no Reino

Eu me recuso enfaticamente a ser aquela pessoa que tem o rótulo: passou por coisas na infância. Eu sou como eu sou. Não tem nada melhor do que ser você no Reino. Orar como você. Levantar a mão do seu jeito. Cantar como você. Ouvir a Deus como você. Deus sente prazer em cada um de nós e é por isso que não somos iguais. PARE DE TENTAR SER IGUAL A TODO MUNDO E PARE DE TENTAR FAZER OS OUTROS SEREM IGUAIS A VOCÊ. Quando o amor de Deus se derrama sobre nós e nós somos curados, o Senhor mostra o quão legal é ser você. Se você já está por aqui na sua vida, uhuuul, já saiu dos tornozelos e joelhos, você mergulhou! E notícia relâmpago: você não é uma baleia, não precisa saltar no ar para respirar, então mantenha-se de baixo da água. É um ditado da universidade da minha cabeça, mas tem funcionado.

Eu não sou bombeiro, mas quero te ajudar

Se o seu carro bateu e você não sabe o que fazer, eu já te dou um conselho: não tente passar sozinho por tudo, você pode economizar um tempo enorme na vida sendo ajudado por alguém. Você leu um post gigante do blog, então não complique: CONVERSE COMIGO. Esse testemunho só serve para isso, amigo. Esses dois anos por aqui só servem para isso.

– Ok, eu decidi conversar com você, como eu faço?

Esquema de sempre: você pode mandar um email (nataniacarvalho@gmail.com),  uma mensagem através da página do blog no Facebook, mandar um comentário no próprio blog (calma que eu não aprovo ele se você me avisar que só quer conversar, migs!), me grite no instagram ou me mande um sinal de fumaça (um bem grande, porque meus vizinhos são do time queimamos-lixo-e-daí-sustentabilidade? e eu posso confundir e deixar passar).

Mas não precisa conversar comigo não, se sente mais a vontade com um amigo? Com um líder da igreja? Com seu pastor? Caras, vão em frente! Eu garanto que resolver o problema – o que pode parecer inacreditável para pessoas que vivenciaram um longo período de pecar contra sua própria carne – te faz livre e ser livre muda muitos aspectos da sua vida (inclusive aquele em que você era aprisionado hehe). Acredite no poder do Espírito, Ele pode!

Hoje – há uns dois anos, na verdade, desde a criação do blog -, algumas pessoas me perguntam:

-Parece que tem uma coisa tão diferente em você… O que aconteceu, menina?

Eu parei de arrastar o pedacinho de tristeza que eu escondia, bem ali, no canto da alma que a gente quase não limpa, e isso mudou tudo. Eu já tive vergonha de falar sobre as coisas pelas quais eu passei, mas hoje eu peço que o Jesus me mande na direção das pessoas que compartilham de sentimentos parecidos com os que eu tinha antes, porque eu amo encher a boca e dizer: Deus é amor.

Vamos orar?

Pai, lembra quantas vezes nós já tivemos a mesma conversa? Eu queria ser liberta, mas eu não conseguia entender como isso poderia acontecer… Foi aí que o senhor me mostrou que o seu amor e sua adoração eram presentes muito mais poderosos do que eu podia imaginar. Deus, eu luto pelos que leem o blog e carregam abusos, traumas, depressão, vícios, mutilações… Espírito, eu intercedo pelos meus irmãos hoje, e nós conseguimos sentir os tremores dos seus pés se levantando do trono. O Senhor não tem prazer no sofrimento dos seus filhos, levante-se sobre as suas vidas, trazendo libertação, vitória, paz. Cubra-os do amor que imobiliza a culpa e os deixa preparados para a vida abundante. A cruz já venceu tudo. O sangue do teu filho já venceu tudo. Senhor, nós oramos para que os seus anjos venham com a argamassa do céu, tapando brechas e construindo sonhos, ministérios, relacionamentos, novas histórias! Nós profetizamos relacionamentos com Deus, nós profetizamos corações dispostos a ouvi-Lo, faz do seu povo odres novos, porque o Senhor tem ansiado pelo vinho novo que será derramado sobre sua geração. Pai, o Senhor tem levantado uma geração de pessoas que foi machucada em várias áreas de suas vidas, Pai, o maligno declarava vitória sobre eles, declarava que eles não seriam um problema, o maligno enchia de certeza seus corações contra o ide, mas o Senhor tem balançado suas estruturas, derramado o teu amor como remédio e colocado um testemunho em suas bocas. Cuida de nós como herdeiros de Israel, envia-nos com uma palavra como os profetas de Israel. Deus, ninguém irá roubar nossas promessas, nossas futuras famílias e ministérios, nem a culpa, nem o pecado, nem os traumas. Nós oramos no nome do teu filho Jesus, a quem nós amamos e esperamos, amém.

 “Tudo o que o Eterno faz é certo. A marca registrada de todas as tuas obras é o amor.”

Salmos 145: 17 (versão A Mensagem)

Dois anos de blog <3

ec

{para ouvir – MESMO – enquanto lê}

22 de Agosto, há dois anos atrás, eu escrevia o meu primeiro post por aqui. Eu havia criado o blog alguns dias antes (uma versão cheia de passarinhos) e estava esperando aquele estralo para postar alguma coisa.

E o tal estralo veio e dois anos depois, nós ainda estamos por aqui.

A intenção do blog, como eu vivo dizendo, era conversar sobre Jesus com os meu amigos e conhecidos que não se interessavam tanto assim por Deus, ou para aqueles que sentiam dificuldade em se manterem bem com Ele, mesmo dentro das igrejas. Sempre que alguém criticava o evangelho, na minha faculdade ou na fila do supermercado, o meu coração amolecia feito gema em cima do arroz.  Eu não queria argumentar de forma invasiva, eu não queria ser a pessoa que incita ainda mais o ódio das pessoas contra a maior mensagem que já existiu – a cruz -, então, comecei a contar para os meus amigos o quanto Deus é incrível, e paciente e amoroso, e nossa relação com o que é sagrado mudou. Eles não tinham mais medo de falar sobre Deus, mesmo que ainda discordássemos de algumas coisas.

Voltando de uma das nossas celebrações de inverno de Brasília (já falei sobre uma delas aqui), Deus me colocou para rever uma de minhas pastas antigas e lá estava: um texto com o título que, agora, nomeia o blog. Jesus é Hilário. E eu comecei a escrever, porque eu queria que a mensagem de que o Senhor é maravilhoso pudesse se propagar de uma forma mais especial e mais rápida do que através da minha voz e minhas conversas. Eu queria que as pessoas nas filas do pão pudessem saber quem Ele é, eu queria que todos os meus amigos pudessem encontrar o sobrenatural durante o banho e não, apenas, em um ambiente preparado para ele. E a escrita não veio cheia de complicações, mas como um reflexo natural de tudo o que já falava de bom do Eterno.

Conforme o tempo foi passando, Deus me jogou na maior transformação da minha vida e eu fui contando nos posts e quanto mais compartilhava, mais gente incrível e totalmente fora do meu ciclo social – cidade e até país – apareciam. E eu tive o prazer de dizer calma-Ele-vai-fazer para pessoas desconhecidas. O meu coração não pode ser mais grato, pois sei que enquanto orava por vocês, muitos oravam por mim. Não é isso ser irmão em Cristo? Ter alguém para amar. Ser amado. Por causa da mudança feita por Deus, e de tudo que tive que passar ao deixar o sangue me lavar, eu pude encontrar pessoas que precisavam, também, dessa mudança e eu espero, do fundo do meu coração melado de aniversário, que vocês tenham encontrado o que precisam em Deus para sair do lugar do trauma.

Irmãos, eu sou grata por cada email, comentário, mensagem no whatsapp. Amigos, eu sou grata pela abertura que vocês (ajudados pelo Espírito) fizeram em seus corações e verdades para ouvirem a palavra daquele que eu mais amo. E Jesus… ah, Jesus, amado, noivo, melhor amigo, o cara com quem eu já tive as piores brigas e as melhores risadas: eu não consigo te amar mais, mas sempre quero aprender a te amar melhor. E ser uma contigo. Ter um coração totalmente entendido dos mistérios do reino, um coração que não dá a mínima para a religião, para as polêmicas vazias feitas por ativistas religiosos de Facebook. Jesus, obrigada porque um dia você fez uma piada extremamente idiota enquanto estávamos no carro e eu pude sentar e escrever: Jesus é hilário.

VAMOS ORAR?

Espírito, nós estamos completando dois anos do blog, dá para acreditar?! Eu amo contar nossas histórias aqui! Obrigada pela oportunidade que você me deu de me conectar com tanta gente incrível! O Senhor tem tanto para falar com o seu povo, tantas palavras de suporte, piadas e abraços que não foram dados por falta de conhecimento… Deus ache no blog um espaço para dar todas essas coisas para aqueles que ainda não descobriram como tê-las. Eu te amo, já falei? Provavelmente. Que tudo o que o Senhor fez na minha vida até hoje possa ser derramado sobre quem me lê: todas as pequenas vitórias conquistadas e grandes libertações! Eu creio em um Deus que dá continuidade em sua unção, que o óleo que tem chegado até mim, possa ser derramado através dos meus dedos e do meu teclado do computador [e seu barulho irritante] e chegue em quem acompanha o blog. Libertação! Louvores! Uma nova etapa! Nós profetizamos, no nome daquele que nos faz suspirar, Jesus, amém. 

 “Tudo o que o Eterno faz é certo. A marca registrada de todas as tuas obras é o amor.”

Salmos 145: 17 (versão A Mensagem)

Eu só preciso te dizer que Deus é muito massa (repetidas vezes)

“Deus é muito massa” – disseram neste fim de semana.

Eu, ajoelhada, algum tempo depois, sentindo uma lágrima descer pelo lado mais baixo da minha bochecha, não pude concordar mais. Deus é muito massa. O cara mais louco que já existiu. O único capaz de me fazer de novo. Deus é incrível.

Até nosso amor, tão falho, tão condicional, consegue entender que Ele deve ser celebrado. Sempre. Nos melhores e piores momentos. E sim, para a maioria de nós são dias de pouco dinheiro e muita correria, mas quem é que vai escolher levar uma vida reclamando quando você pode simplesmente parar alguns segundos, abrir a boca e afirmar: Deus é muito massa.

Ele é. E saber disso faz meu peito se derreter no Dele.

– O pardal encontrou casa – digo.

– E eu te fiz um ninho.

Deus é muito massa.