Arquivo mensal: setembro 2013

Último dia (Desafio #1)

O que dizer da bondade do Senhor durante essa semana?! Bondade que aguentou todas as minhas orações – e a falta delas, quando passava longos minutos sem ter o que dizer às cinco da manhã. Bondade que me ensinou pacientemente que adoração não é apenas cantar, mas é toda a sorte de palavras que enchem o Seu coração com um tiquinho de amor por esse bando de gentes da terra.

Obrigada por descer sobre nós como abraço bom durante a música que o Senhor escolheu. Obrigada, Jesus!

Gosto de pensar que a chuva que caiu hoje foi conquistada ontem e que o ventinho que veio com ela foi apenas consequência do impetuoso furacão que começou a mudar nossas vidas no sábado.

Não é Tim Maia, é só o quinto e o sexto dia ~juntinhos~ (Desafio #1)

IMG10112
(Obrigada, Marcela, porque o caderno foi a melhor coisa que você podia me dar de aniversário!)

E a pessoa que vos escreve fez uma pequena bagunça na hora de postar os dias do Desafio #1 porque escreveu tudo no caderno que leva para cima e para baixo e não transcreveu para o blog. Então, aqui vão os dois dias juntinhos.         #Sexta-feira Começo a escrever para você da mesa do trabalho. O prédio está sem energia. Pego a Bíblia na bolsa. Fecho os olhos rapidamente, como uma espécie de prece que significa “me mande para o texto certo, Senhor”, e então me vejo indo para Salmos. Sim, Salmos 66. Li o capítulo algumas vezes. Sabe quando você precisa prestar atenção em tudo se não vai perder o detalhe mais importante da sua vida? O sentimento é bem parecido com o de tentar decorar o mapa de algum livro com dragões ou com hobbits. Eu sempre fico olhando e olhando e olhando antes de começar a história, porque tenho a mania doentia de não querer ficar voltando ao incio da leitura, mas a verdade é que geralmente preciso nas primeiras páginas ( christopher paolini ❤ ). No meio da história, você já sabe o mapa sem precisar checa-lo, depois de várias vezes lendo o salmo você também aprende a ser um bom co-piloto. E o versículo que você queria salta aos seus olhos todo brincalhão te perguntando o quão difícil foi percebe-lo:

Vinde, e vede as obras de Deus: é tremendo nos seus feitos para com os filhos dos homens.

Caramba! É isso! Vinde e vede as obras de Deus em minha vida! É isso que quero dizer no quinto dia do desafio. Meu domínio próprio ainda não é brilhante – se você falar mal das minhas bandas favoritas ainda terei dificuldade em dar a segunda face, rs – mas Jesus tem feito uma grande obra em mim! Creio que a mudança vem de uma decisão sem rodeios: desembarace meus caminhos, Espírito. Todos os meus erros, tropeços, mentiras, abusos e até mesmo o “tá gravida??” para a pessoa errada sumiram. Por isso eu repito: vinde e vede as obras de Deus em minha vida!   #Sábado IMG10111Tantantan… A célula de louvor é hoje! Não consigo pensar direito em versículos ou coisas que realmente façam sentido, porque ainda é cedo, aliás, já era cedo quando fui dormir, duas horas depois continua muito cedo. O fato é que tenho trabalhado com a minha ideia de expectativa, por isso creio que Deus se moverá em nosso meio! A única coisa que me vem a cabeça agora – e não é um bocejo – é o início do livro do pastor David Yonggi Cho e é por isso que clamo: Deus nos dê, para começar, cinco pessoas apaixonadas por ti e uma tenda.

O tempo que se chama Hoje (Desafio #1)

Dia dois. Desafio 1.

O pecado é aquilo que te faz se sentir miserável algum tempo depois de cometê-lo. Essa foi uma das definições que fiz para mim mesma quando era menina. Não com essas palavras, mas com o mesmo sentimento grudento e agoniante: a alma prestes a explodir, a carne se acostumando com o novo formato da sua moral.

É incomodo pensar em pecado. Estando você em Deus ou não. Incomodo porque a Bíblia diz que Ele colocou o conceito de eternidade dentro de nossos corações e acredito que assim como a vontade de nunca morrer, o desejo pela existência de Jesus existe. E isso pode gerar um pânico do pecado ou uma vontade de gritar aos quatro cantos que isso tudo é um monte de bobeira e que a vida é uma só. Nas duas situações estamos tentando descobrir o que fazer com a parte indecifrável de nossos corações.

Mas não vim dizer que Deus não se relaciona conosco quando estamos em pecado, ou que o problema do pecado já foi resolvido por Jesus. Tudo isso você já sabe. Hoje tenho me perguntado: por que não temos coragem de mexermos com as estruturas mais profundas em nós?

Descobri que a adoração traz essa questão. Por quê? Bem, pois quando você adora nada parece mais correto do que trazer tudo que você tem visto no céu para a terra. E é aí que você encontra algumas coisas em você mesmo que tornam esse projeto difícil: seus pecados mais alimentados, bem cuidados, com apelidos desdenhosos carinhos e anos de companheirismo.

E antes de continuar, preciso citar J. Blanchard:

Não existe pecado pequeno, porque não existe nenhum Deus pequeno contra o qual se possa pecar.

Trago Blanchard porque, às vezes, vemos nosso pecado como irrisório – foi só um eu estava ocupado para atender a ligação quando eu não estava ocupada para atender a ligação -, e isso nos coloca em um eterno ciclo de pedirmos perdão por coisas ditas pequenas antes de adorar e acharmos que estamos muito bem obrigado, já que todo mundo tem algo do que se arrepender no final do dia. O que não notamos é que, bem, estamos pedindo perdão pelas mesmas coisas todos os dias.

Quantas vezes levamos nossos pecados para dentro da igreja e os escondemos debaixo das cadeiras, esperando para cometê-los logo após o culto.

– Você não pode afirmar isso da igreja! – Talvez você diga com o dedo no meu nariz agora.

Não há generalizações no que digo, mas parto de mim, de mim sim, pois EU sou a igreja.

Refaço a frase, então: eu e meus pecados debaixo da cadeira.

Mas a palavra diz: “Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado;”, e é nisso que acredito: que escrevendo você que lê me exorta de alguma forma.

Há um pedaço da glória fresca, nova e doce que temos perdido com medo de nos expormos ao ridículo, de gritarmos os pecadinhos que vem comendo nossa alma e adoração. Mas estou empurrando todas as cadeiras da igreja, rasgando meu peito, me libertando da capa da Lei que apenas nos tampa com religiosidade.

Deixe que o evangelho de Cristo mude tudo em você.

Choque-se contra nós, Santo dos Santos, e nos leve para onde há apenas o espírito mudando cada parte de nós, até mesmo nossa maneira de dar bom dia. Choque-se contra nós, Senhor, pois queremos a parte do céu que eu nunca tocamos antes.

Mordor, Homem Aranha, Lucinho e Dona Brum (Desafio #1)

Corre, corre, corre para escrever o primeiro post do desafio da Semana!

Eu tinha preparado algo completamente diferente para hoje, li Salmos e achei que as coisas iam para um rumo Davi – aquele ruivo – e sua harpa… Mas aí veio Deus e mudou tudo.

Ah, Jesus é uma lindeza que só, assim como o fim desse dia!

ROTA DA NOITE: ouvir o pastor Lucinho Barreto e pastora Fernanda Brum, que estavam ministrando em uma igreja aqui da minha cidade. O ministério da Fernanda é bonito demais, gentes, cheio de missões e de cuidados pelas mulheres, e o do Lucinho, nem se fala: JOVENS. Meu coração derreteu: missões, jovens e adoração.

IMG10103Aliás, não foi só o coração. A igreja estava cheia, muito mesmo, e você tem que entender que Goiânia nesses dias seria uma substituta aceitável para destruir o Anel de Sauron – Mordor chateado. Todos os seres naquele lugar estavam suados. E os anjos não escaparam dessa não, amizades. Estava quente mesmo. O melhor? TODO MUNDO SE ABANAVA, MAS NO FUNDO NINGUÉM ESTAVA DANDO A MÍNIMA. Sabe por quê? Por que o Senhor estava naquele lugar, em cada música, em cada grito de “miséeeeeeeeeeeria” do Lucinho.

E quando  dei por mim não sabia onde acabava o calor e começava a choradeira, eu era uma água só. E por mais nojento que isso tenha soado: foi maravilhoso.

O mais legal de tudo é que tive a certeza de que a obra começada há cerca de três meses em minha vida fica cada vez mais acabada (me senti contratando um pedreiro agora… “oh, Deus, quando é que a cozinha fica pronta?” “olha, dona, agora que o material chegou, que a gente já limpou o entulho e as bases já tão lançadas num deve demorar não”).

A frase que resumiria o post de hoje e as ministrações da noite é: Deus não usa gente enrolada, por isso se desenrole. Não sei se você consegue entender isso, mas essa frase com pouco mais que quinze letras explodiu minha mente.

Oração do primeiro dia do desafio: Jesus, não me deixe me meter em uma confusão parecida com a anterior, me desenrole e me livre de minhas próprias ciladas.

E, então, ele vem me ensinando a lidar com minhas aranhas mutantes e com as teias que elas formam em volta de meu próprio umbigo  e me dando um sentido aranha para perceber quando o menor dos pensamentos enganosos surgirem.

– A metáfora do Homem Aranha é ruim, mas aceitável, só não me aparece com roupas cujo tecido é algo entre o látex e a desgraça da humanidade, por favor. – Ok, Deus…

Fechando o falatório, senhoras e senhores, Fernanda, a Brum:

Porque domingo é dia de planejar a semana (Desafio #1)

Às vezes, para ser ainda mais engraçado, Deus nos dá desafios!

Para começar, uma confissão: já fui mais medrosa. Não gostava de iniciar algo se não tivesse a certeza de que tinha capacidades plenas e palpáveis – leia aqui: humanas e que quase não dependessem do Senhor –  de terminar. Agora? Aprendi que aceitar um belo pontapé de Deus no traseiro, bem em frente ao desconhecido é uma das coisas mais legais que pode existir.

AVISO: existem grandes chances de você cair, se esfolar e perder uns dentes das primeiras vezes (e segundas e quantas mais Ele quiser), entretanto garanto que você fica mais intenso e Jesus aprende a confiar mais em você.

Você já pediu para o Espírito te usar, mas não sabe como? Já pediu para ele te dar mais do que você tem tido no ministério, entretanto não sabe como alcançar esses objetivos? Bem-vindo ao clube que eu denomino: Não estamos bêbados, apenas somos Anas. Como mais novo membro desse clube – no qual, particularmente, acredito que sempre precisamos manter um pezinho – vou te explicar uma das regras que demorei tempo demais para aprender (mas Deus é paciente, minha gente, rs): às vezes Deus está te usando no máximo.

MAS ESPERE AÍ, NATÂNIA, ESSE NÃO ERA O CLUBE DOS QUE QUEREM QUE DEUS AUMENTE SUAS TENDAS?!!!

Sim, meu querido Padawan, calma. É esse mesmo. O que eu quis dizer é que por muitas vezes, Jesus está nos usando no limite, no nosso limite. Na quantidade que lemos sua palavra, na quantidade que O adoramos, na quantidade que procuramos material extra para nos aprofundar, na quantidade que nós evangelizamos.

Eu quero crescer no reino de Deus, no ministério, na célula (traduza para qualquer nome que você use para os grupos que pregam Jesus, rs), mas tenho comido o mesmo tantinho de Deus de sempre. Tenho feito as mesmas coisas de sempre. Tenho pregado como sempre. É aí que o tal do sempre, como diria meu pai, bem ele “quebra suas pernas”.

E é exatamente aqui que o início do texto começa a fazer sentido. Nada melhor do que um desafio para mudar isso. Deus tem te desafiado? Ou melhor: você tem deixado Deus te desafiar? A pior coisa do mundo é perguntar algo a alguém que sempre diz não.

– Vamos fazer tal coisa nova pra mim, filho?

– Ai, Deus, eu não sei se eu consigo fazer isso não…

– A igreja está precisando disso. E aí?

– Ah, Deus, ia ser maravilhoso se eu tivesse tempo, mas olha, tu sabes…

TU SABES?!

Bem, foi assim que eu perdi muitas oportunidades de crescer, mas não mais. Como diria irmã Selma:

Mas vamos ser mais específicos, né? Que desafio é esse? Já explico! (estou empolgada e vou começar a usar um monte de pontos de exclamação, rs)!!

Esta semana – no sábado! – vamos ter célula de louvor na minha casa (com tempinho para jogar conversa fora, comer, jogar videogame – ! – sinuca, ping pong – que eu sempre perco – e piscina – porque, olha, o calor do Goiás não está para brincadeira)! E para a preparação da mesma: um desafio! E eis o bendito:

1-      Convidar alguém (diferente, né, minha gente?!) todos os dias;

2-      Orar mais do que o normal. Se há (mais) uma coisa que aprendi com o meu pai é que pensar grande significa fazer ainda mais. Então vamos ao calendário de oração: cinco da matina, sete e meia da noite e – algumas horinhas depois – às dez e meia;

3-      Adorar todos os dias – no meio das orações e na minha conversa do dia a dia. Se a célula é de louvor, nada mais natural do que estar com o caminho dos santos dos santos na ponta da língua;

4-    Ler, ler e ler coisas que edificam!

5-      Atualizar o blog todos os dias da semana com alguma coisa que aprendi, estudei, li durante esta semana;

E porque estou postando esse desafio simplesinho que só? Para te incentivar a fazer o mesmo! Não o mesmo desafio, cabeça, mas um para você!

Meus amigos e eu temos o jogo do desafio, que é basicamente uma desculpa para você fazer um deles passar vergonha e ele poder te desafiar de volta (mais uma vez: te amo, Murillo, desculpe pelo último desafio, não foi nada pessoal, hahaha!). Então, porque não para  Deus?

Se desafie essa semana! Com uma rotina diferente? Aceitando viver algo realmente doido por Ele? Abrindo uma célula? Aceitando o desafio de ir a uma célula pela primeira vez? Voltando para Jesus? Não sei como – você pode me contar se quiser  –, mas faça!

Repito: pé na bunda de “vá fazer algo por mim, menino” vindo de Deus é tão bom quanto Seu abraço.

E que comece o jogo!

(:

PS: é de Goiânia, Aparecida ou daqui perrrrtim? Está mais que convidado para a célula!

 

Sexta-feira old school

E a vontade de escrever amenidades  veio, hoje, de uma conversa sobre músicas – e músicas antigas! Tem coisa melhor do que música, história e gente mais velha? (Não me responda música nova que eu vou ficar ofendida com a grosseria, ok? Falta de educação dá para ouvir daqui, rs)

Silvério e…

Silvério de novo!

Isso lembra… Sonhos de infância:  um jogo de cientista,  usar caneta bic e não lápis na escola, participar do finado Espaço Alternativo (antigo culto de jovens barulhentos e com cabelos grandes), os sapatos da minha mãe e fazer parte do coral do Koinonya.